16/10/2010

O RETORNO DO PSF

Depois de marchas e contramarchas, o Programa Saúde da Família implantado, em Campos, no governo do prefeito Arnaldo Vianna, será reeditado. Essa é uma vitória coletiva e revela que a solução decidida pela Justiça e acatada pelo prefeito Nelson Nahim já poderia ter sido posta em prática há algum tempo. Diante desse fato, é inegável que faltou, até aqui, vontade política e, convenhamos, mesmo com a constatação que a ausência do programa significou e significa sofrimento de uma parcela considerável da sociedade, sobretudo, àquela que mais precisa. Já disse, aqui mesmo neste espaço, que o PSF é indispensável e sua eficácia é ponto pacífico.

Durante muito tempo os supostos erros administrativos da gestão anterior à da prefeita cassada eram invocados para justificar a leniência no tratamento da questão presente do PSF. O fato concreto é que o governo de então não entendia o Programa como prioritário. Toda vez que era cobrado pela sociedade, escamoteava o problema alegando que havia um impedimento jurídico. Diante do impasse provocado pelo próprio governo, tomei a iniciativa de procurar o prefeito e colocar meu mandato de vereadora à serviço dessa causa. Apresentei, pessoalmente, algumas alternativas e percebi, desde a primeira conversa, que o momento político favorecia o entendimento em torno da questão.

Agora que o retorno do Programa já foi anunciado, cumpre registrar a obstinação da população que sempre entendeu o PSF como uma conquista sua e que, por conta disso, manteve-se em estado de cobrança permanente; a firmeza dos concursados que fizeram valer o seu direito e não desanimaram momento algum e registrar também o empenho de todos os demais agentes públicos que não se conformaram que Campos dos Goytacazes ficasse como único município do Estado sem contar com essa ferramenta valorosa de Saúde preventiva.

De minha parte, quero ressaltar que entendo política como o meio de se promover o bem coletivo. Não admito que, em nome de pequenos interesses partidários ou ideológicos, a sociedade tenha que ser penalizada. Guardo diferenças políticas em relação ao grupo do qual faz parte o prefeito Nelsno Nahim, mas seria indesculpável se, por conta dessas diferenças, eu ficasse calada e omissa nesse momento. Da mesma maneira encontrei no prefeito, desde sempre, à disposição para o diálogo e para o entendimento. O resultado do exercício dessa política alta não poderia ser outro. Venceu o interesse público.

Mas, como tudo na vida, quando um lado vence o outro perde e a volta do Programa Saúde da Família também representa a derrota da política menor, daquela que se escora na perseguição indiscriminada em busca de resultados eleitorais à qualquer preço e de qualquer maneira. Há que se registrar também que o PSF teve adversários furiosos e que um programa dessa importância, responsável pelo salvamento diário de muitas vidas, ficou na mira de políticos ultrapassados e raivosos, capazes de mover ações judiciais para impedir o seu pleno funcionamento. Por tudo isso, nós que somos defensores do PSF devemos ficar atentos e vigilantes.



Ilsan Viana - Vereadora PDT

Artigo publicado na edição de 16/10/2010
no jornal Folha da Manhã

3 comentários:

DFL disse...

Ilsan, nem sei como agradecer todo seu empenho nesta causa. Obrigado sempre!

lifirmino disse...

Mais uma vez muito obrigada Ilsan, o seu esforço será sempre visto e lembrado por todos nós que lutamos por esta causa tão justa.
Obrigada, gratidão eterna!!!!

Bernardino Robinson de Senna disse...

Obrigado Ilsan,
A sua atuação foi de fundamental importância no retorno do PSF anunciado. Quando parecia que todas as forças políticas estavam contra, foi a sua voz que surgiu na Tribuna da Câmara dos Vereadores, pedindo informações e justificativas para o não retorno do PSF. Os futuros funcionários do PSF reconhecem o seu trabalho pela Saúde e em breve estarão atuando na melhoria da Saúde do povo de Campos.